O Portal do Geólogo
23/7/2019 04:34:24

Sete cientistas russos da Russian Academy of Science publicaram um trabalho instigante. Segundo eles o efeito estufa, tão alavancado pela mídia, não é tão importante como agente das mudanças climáticas como muitos acreditam.

Para os russos o fluxo de raios cósmicos é o grande agente das mudanças no clima da Terra. Os raios cósmicos , são fótons de alta energia, raios-x e gama e partículas subatômicas que chegam à Terra oriundas de supernovas distantes e de outros eventos violentos da galáxia.

A Terra está, geralmente, protegida destes raios cósmicos pelo Sol. Quando o Sol está em grande atividade (Solar Maximum) ele cria um escudo magnético que protege grande parte do sistema solar incluindo a Terra do bombardeio de raios cósmicos.

No entanto, no momento, estamos em uma fase de baixíssima atividade solar: o ciclo 24.

Somente em 2017 já existiram mais de 15 dias sem nenhuma mancha solar visível. A imagem acima mostra poucas manchas solares visíveis no dia de hoje.

Em 2016 foram 32 dias sem manchas solares.

Esse fenômeno, que iniciou em 1980, tende a aumentar. Já é o terceiro período de forte baixa incidência de manchas solares desde 1755, quando a contagem de manchas solares pelos astrônomos, iniciou.

O resultado disso é o aumento do fluxo de raios cósmicos que atingem a Terra sem a proteção do escudo magnético do Sol. As últimas medições da intensidade dos raios cósmicos, feitas em balões de grande altitude, confirmam o aumento do bombardeio terrestre.

Somente entre março de 2015 e setembro de 2016 houve um incrível aumento de 12,4% na radiação cósmica que atinge a Terra (veja o gráfico abaixo).


Quando o fluxo de raios cósmicos aumenta ocorre, na mesma proporção, um aumento da formação de nuvens a nível global. E é, segundo estes cientistas, essa cobertura de nuvens que bloqueia a radiação solar, resfriando a Terra e os oceanos.

É o início do resfriamento global, que segundo muitos, irá principiar uma nova mini era glacial.

A última mini era glacial ocorreu entre os anos de 1300 e 1850.

Foi um período de fome e miséria que afetou, principalmente, o hemisfério norte causando grandes migrações e desespero.

A mini era glacial foi exacerbada entre 1645 e 1715.

Nestes 70 anos o Sol atravessou o que se convencionou chamar de Mínimo de Maunder quando as manchas solares praticamente desapareceram aumentando a incidência de raios cósmicos, a formação de nuvens e o esfriamento do planeta.

A mini-idade do gelo destruiu economias, arrasou colheitas e até o transporte aquático.

Rios e lagos congelaram onde nunca tinha ocorrido. O mar Báltico congelou e o transporte entre a Finlândia e a Groenlândia com o resto do mundo foi praticamente inviabilizado. Os glaciais dos Alpes invadiram cidades e fazendas matando e destruindo. As plantações foram inviabilizadas. Em decorrência da falta dos alimentos a fome matou milhares e muitos emigraram para regiões mais quentes.

O gráfico acima mostra, com clareza, o efeito do Maunder Minimum quando a ausência de manchas solares coincide com a mini era glacial que assolou o planeta até 1750.

O gráfico da NOAA e do Space Weather Prediction Center, atualizado para março de 2017, acima, mostra o decréscimo das manchas solares e da atividade solar nos últimos anos. Nele fica aparente que o ciclo 24 pode dar lugar a um Maunder Minimum que irá levar, inevitavelmente, à uma mini era do gelo como a de 1.700. Este gráfico correlaciona com o de 400 anos acima e mostra que podemos estar entrando em uma época de resfriamento.

Para os Russos não existem muitas dúvidas. A menor atividade solar vai iniciar um ciclo de resfriamento.

Enquanto isso grandes nevascas, fora de época, assolam o hemisfério norte.

Na foto a Turquia é assolada por forte nevasca em abril.

Na Itália, também em abril de 2017, os agricultores estão aquecendo as colheitas com fogueiras para evitar o prejuízo total: uma anomalia climática que assusta.

Nos Alpes Austríacos a neve superou a dois metros de acúmulo, a maior nevasca da história em abril.

Na Suíça muitos recordes de baixa temperatura foram anotados, também, em abril. O mesmo ocorre em Denver onde estão previstas grandes nevascas para os próximos dias.

Isso tudo é apenas uma anomalia passageira ou um reflexo de um inevitável período de resfriamento que parece estar no início?



Saiba

(mais)




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


   180180
12.000 ANOS DE ABANDONO  um livro de Pedro Jacobi

Caro usuário do Portal do Geólogo
Se você gosta de descobertas arqueológicas inéditas no meio da Amazônia vai gostar do livro que estou lançando. É um não ficção sobre uma pesquisa real que estou fazendo.

Com o avanço do desmatamento e com o auxílio da filtragem digital em imagens de satélites, descobri nada menos do que 1.200 belíssimas construções milenares, no meio da Amazônia — totalmente inéditas.

São obras pré-históricas, algumas datadas em 6.000 anos, incrivelmente complexas e avançadas — as maiores obras de aquicultura da pré-história que a humanidade já viu.
Neste livro você se surpreenderá com essas construções monumentais, grandiosas e únicas, feitas por aqueles que foram os primeiros arquitetos e engenheiros do Brasil.
Trata-se de importante descoberta arqueológica que vai valorizar um povo sem nome e sem história. Um povo relegado a um plano inferior e menosprezado pela maioria dos cientistas e pesquisadores.

Dele quase nada sabemos. Qual é a sua etnia, de onde veio, quanto tempo habitou o Brasil e que língua falava são pontos a debater.
No entanto o seu legado mostra que ele era: muito mais inteligente, complexo e tecnológico que jamais poderíamos imaginar.
Foram eles que realmente descobriram e colonizaram a Amazônia e uma boa parte do Brasil.
E, misteriosamente, depois de uma vida autossustentável com milhares de anos de uma história cheia de realizações eles simplesmente desapareceram — sem deixar rastros.
Para onde foram?

Compre agora!
O livro, um eBook, só está à venda na Amazon. Aproveite o preço promocional!


Jacobi Consultoria
Minerador, quer negociar a sua área, ganhar dinheiro com a mineração, atrair sócios estrangeiros ou pesquisar os minérios em sua área? Por que esperar mais?

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi