O Portal do Geólogo
23/10/2017 07:45:09

A ameaça de Pasadena: a vez e a hora de Dilma Roussef



Publicado em: 20/11/2016 19:18:00

Em 2006, quando Dilma Roussef era a Presidente do Conselho de Administração da Petrobras, foi concretizada a compra da Refinaria de Pasadena, no Texas. Estava efetuado o primeiro grande rombo da Petrobras: um marco histórico da corrupção brasileira moderna, cujos desdobramentos só poderiam ser intuídos 10 anos depois...

Hoje percebemos, abismados, que Pasadena era apenas a ponta de um iceberg de corrupção, que se ancorava nas entranhas da nossa maior empresa estatal. A Petrobras havia sido tomada de assalto por uma quadrilha comandada pelo PT, PMDB, PP e por inúmeros funcionários dos mais altos escalões e, naturalmente, pelo grupo de malfeitores das empreiteiras.

Mas, no início, tudo parecia “apenas” mais um caso de superfaturamento com evasão de divisas: coisa “comum” nos negócios da época.

Como uma refinaria decadente, quase sucata, que havia sido negociada por apenas US$42,5 milhões um ano antes, foi valorizada pela Petrobras em US$720 milhões?

O negócio era estranhíssimo, afinal quem compra deprecia...,mas a Petrobras aceitou comprar a refinaria de Pasadena mesmo após um aumento astronômico de 1.594%.

Dava para desconfiar... só não dava para antever o tamanho do rombo e a sincronia destes com outros que aconteciam no mesmo momento perpetrados pelos mesmos protagonistas.

O custo final, (prejuízo) da Petrobras, pela “compra “ de Pasadena, foi de US$1,18 bilhões , “somente” 27,76 vezes maior do que o valor pago pela Astra Oil um ano atrás...

Enquanto isso, no seio da Petrobras, a refinaria era “carinhosamente” chamada de “ruivinha”, pois estava “enferrujada” (veja a foto) até o núcleo e precisava, urgentemente, de reparos.
Pasadena era motivo de chacota desde o início.

No dia primeiro de outubro de 2006, conforme publicado no Portal do Geólogo ( veja mais ) a refinaria de Pasadena, sem nenhum alarde, paralisou o craqueamento: era o fim do projeto e a consolidação de um megaprejuízo que diligentemente era varrido para baixo do tapete do esquecimento pelos executivos da estatal.

Desde a compra, em 2005, o desastre de Pasadena ficou dormente, escondido dos olhos dos acionistas e do mercado mundial, pelos diretores e presidentes da Petrobras e pelos representantes do Governo do PT, sempre tentando proteger Dilma.

Em abril de 2014, Lula disse para Dilma que o Palácio do Planalto deveria "fazer de tudo" para evitar a CPI. Ele sabia das consequências...

Mesmo assim somente em 2014, quase oito anos depois, depois do enorme esforço do PT para evitar as investigações, a ponta do iceberg de corrupção aflorou.

Mas o caso não foi para frente, pois quem controlava a CPI da Petrobras, na época, eram 12 políticos listados abaixo: Gim Argello (PTB-DF), Humberto Costa (PT-PE), José Pimentel (PT-CE), Valdir Raupp (PMDB-RO), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Acir Gurgacz (PDT-RO), Álvaro Dias (PSDB), Aníbal Diniz (PT-AC), Antonio Carlos Rodrigues (PR-SP),Ataídes Oliveira (Pros-TO), Ciro Nogueira (PP-PI), João Alberto Souza (PMDB-MA), Kátia Abreu (PMDB-TO) e Vital do Rêgo Filho (PMDB-PB).

Quem está ao par das notícias nacionais vai perceber que a maioria desses nomes são frequentemente citados e acusados em vários casos de corrupção e, agora, começam a povoar as prisões de Curitiba como Argello.

As tentativas de encobrir o rombo eram muitas e vigorosas. O relator desta CPI José Pimentel (PT), Humberto Costa (PT), Ciro Nogueira (PP) e Vanessa Grazziotin (PC do B) eram acusados, já naquela época, de receber propinas das empreiteiras OAS e Camargo Corrêa para abafarem qualquer problema que pudesse surgir.

Era o cala-boca: o plano de Lula havia dado certo. Até então...

Estes senhores e senhora, que hoje estão travestidos de honestos políticos, estavam lá, segundo as acusações abaixo, para acobertar o PT, a Petrobras e, naturalmente poupar à Dilma os dissabores de uma investigação.

E, obviamente, se locupletar da melhor forma possível.

veja mais

Estas CPIs, como sabemos hoje por delações premiadas de bandidos políticos como o ex-senador Gim Argelo (vice presidente de CPI da Petrobras), eram usadas pelos membros para arrecadar dinheiro das empreiteiras corruptas, para seus bolsos, campanhas políticas e para seus partidos.

Tudo dentro da “normalidade” de uma corrupção total, absoluta e desenfreada que imperou, por décadas, nos governos do PT-PMDB.

Eles conseguiram manter a sujeira longe dos olhos do grande público até a chegada de Sérgio Moro e da Lava Jato.

Com a Lava Jato, conduzida pelo Moro e uma equipe de primeira linha, as provas se acumularam a uma velocidade nunca antes vista.
Delações, prisões, depoimentos rechearam a mídia de tal forma que ficou praticamente impossível contradizer. Mesmo os mais ferrenhos militantes petistas não conseguem defender, com inteligência, os seus idolatrados e corrompidos líderes, promovidos pelas provas a chefetes de quadrilha.

Moro criou um efeito dominó, onde quase todos os expoentes políticos do PT, do PMDB, PP e agora do PSDB foram caindo, sucessivamente.

O castelo da corrupção ruiu e, nas frestas e profundas rachaduras do sistema, retornam os fantasmas podres do passado.

Entre esses o fantasma de Pasadena volta a assombrar o mundo dos vivos: muitos tremem...

O número de envolvidos na corrupção de Pasadena não para de crescer.

Vemos os nomes dos novos indiciados na Operação Vício, como o executivo da Petrobras Demarco Epifânio, ligados aos nossos velhos conhecidos Fernando Baiano, Duque, José Dirceu, Júlio Camargo e Cerveró, misturados na mesma vala, com políticos de expressão nacional como Dilma, Lula, Renan Calheiros, Jáder Barbalho e Delcídio Amaral.

É Pasadena em esteroides ressurgindo do esquecimento e que muito possivelmente vai atingir o topo da pirâmide: Dilma.

Dilma, a supergerente do PT sempre alegou que havia aprovado a compra baseada em um relatório “falho”. Até hoje ela teima, assim como teimava sobre o golpe, que foi enganada. Já o prisioneiro Cerveró afirma com todas as letras, arriscando o próprio pescoço se for pego em mentira, que Dilma sempre soube a aprovava o roubo.

Quem conhece um conselho de administração de empresa pública sabe que a história de Dilma não é possível. Quando um presidente do conselho, Dilma era um, descobre qualquer ponto de fraqueza ele deve, imediatamente, paralisar a compra e convocar um auditor externo de renome internacional.

É desta forma que a empresa e seus executivos se eximem de acusações futuras e esse procedimento é automatizado.

Se isso ocorre usualmente em qualquer junior da mineração imagine na gigante Petrobras, onde uma compra está sendo feita com uma supervalorização de mais de 1.500% , com todos os sinais gritantes de propinas, superfaturamento, gestão fraudulenta e roubo...

Mesmo assim, com todos os sintomas de fraude escritos em negrito, a supergerente Dilma aprovou a compra. Talvez por cumplicidade...

Ela e os demais membros do conselho que, vejam vocês, são figuras carimbadas de Sérgio Moro e da justiça brasileira: Silas Rondeau Cavalcante (acusado da Lava Jato em vários casos de corrupção), Guido Mantega (investigado e preso pela Lava Jato, BNDES, Petrobras propina da Odebrecht), Roger Agnelli (morto em estranho acidente aéreo), Fábio Barbosa (ex-Santander, investigado na Lava Jato pediu para aperfeiçoar os mecanismos para coibir “atos lesivos ao patrimônio da companhia”), Arthur Sendas, (assassinado...), Gleuber Vieira (general alegou desconhecimento...), Jorge Gerdau Johannperter (empresa investigada na Lava Jato e acusada na Zelotes), e José Sérgio Gabrielli (investigado e acusado da Lava Jato).

Por que será?

Simples: o dinheiro desviado de Pasadena era uma das molas propulsoras do PT e do PMDB. Era um dinheiro altamente relevante, vide a quantidade de propinas destinadas a calar bocas de inúmeros políticos e participantes. Era o dinheiro necessário para a reeleição de muitos, inclusive da própria Dilma, que viria a se eleger presidente, possivelmente com um orçamento irrigado por Pasadena.

Não era a toa que Lula, Dilma e o PT lutaram tanto contra as investigações da Petrobras.

Em 2009 Dilma, candidata a presidência, em entrevista pública se declara contra a CPI da Petrobras alegando que “A Petrobras de hoje é uma empresa com um nível de contabilidade dos mais apurados do mundo “ .

Dilma não podia ter falado uma mentira maior!

Este “apurado” nível de contabilidade causou bilhões de prejuízos à empresa e aos investidores nacionais e estrangeiros. Estes últimos estão unidos em uma causa comum contra a corrupção da petroleira e buscam uma restituição de mais de US$70 bilhões, causada segundo eles, pela gestão fraudulenta e ocultamento de prejuízos nos balanços publicados.

Pasadena hoje, depois da Operação Vício, volta aos holofotes da mídia, robustecida por inúmeras delações, declarações e toneladas de provas indubitáveis.

É o retorno do cadáver insepulto, que assombra os sonhos da presidente afastada Dilma e de muitos outros implicados na corrupção sistêmica brasileira.

Terá chegado a hora de Dilma? Só Moro sabe...




Autor:   Pedro Jacobi - O Portal do Geólogo

  

 


editoriais energia geoestatais polemicos    2632

Calcita ótica puríssima
Calcita Ótica - Espato de Islândia totalmente transparente, puríssima garantida pelo Portal do Geólogo

Só para você: veja as matérias que selecionamos sobre o assunto:

A ameaça de Pasadena: a vez e a hora de Dilma Roussef 20/11

Mineração & Brasil: o país do futuro? 29/9

Conselhos ao geólogo recém-formado 8/9

A cleptocracia brasileira 18/6

Mineração: como destruir 32% de todo o CAPEX investido 6/8

Vale: Murilo Ferreira na mira de Temer 6/2

Não sobra ninguém 26/5

Pasadena revisitada: a hora de Dilma Roussef? 25/5

Agora que decapitaram o Cunha será que vão aprovar o malfadado código mineral? 5/5

O efeito impeachment: Petrobras bate todos os recordes e sobe 131% em 81 dias 15/4

Mercados mundiais reagem à subida dos preços das commodities: mineradoras decolam 13/4

Delação mostra ex-ministro de Minas e Energia como captador de propina do PMDB 7/4

Governo coloca mais um prego no caixão da Petrobras:vai baixar o preço da gasolina e do diesel 4/4

O Mercado contra Dilma 4/1


O Portal do Geólogo

Geologia e Mineração contadas por quem entende

Desde 27/3/2003
As mais lidas
1 : o início de uma mini era glacial ...
2 : Samarco desastre ou uma oportunidade econômica ...
3 : aguahisteria ...
4 : O que esperar do futuro próximo ...
5 : Geologia Salarios ...
6 : O ouro de Pontes e Lacerda ...
7 : SetorMineral1 ...
8 : deslizamentos ...
9 : mineroduto ...
10 : A ameaça da Vale faz tremer australianos ...
Calcita Extra Âmbar
Raridade à venda: calcita ótica âmbar
Calcita Ótica Puríssima
Espato de Islândia transparente, puríssimo

Não entendeu a palavra?

Pesquise o termo técnico!




Pesquise no universo do Portal do Geólogo!

Digite uma palavra na caixa abaixo e estará pesquisando centenas de milhares de matérias armazenadas no nosso site.

 

 

palavra com mais de 2 letras
O Portal do Geólogo    Editor: Geólogo Pedro Jacobi